Melatonina, o hormônio do sono, é essencial mas não resolve tudo sozinha

Melatonina, o hormônio do sono, é essencial mas não resolve tudo sozinha
Avaliar postagem

Não existe nada pior para a nossa saúde do que noites mal dormidas. Segundo a Associação Brasileira do Sono, mais de 36 por cento da população brasileira sofre com a insônia, o que representa 73 milhões de pessoas, um número alarmante. Os motivos logicamente não são apenas fisiológicos. O stress, a ansiedade, a angústia, a depressão e os hábitos noturnos, principalmente ver televisão até tarde, são os que mais afetam o estado do sono, que começa com o anoitecer, quando a glândula pineal passa a liberar uma substância chamada melatonina. Conhecida como o hormônio do sono, ela é responsável por relaxar nosso cérebro na área do sistema nervoso central, causando a sensação que a gente tem de “vontade de dormir” ou apagar. O problema é que os efeitos da melatonina podem ser bloqueados por outras substâncias como a cafeína e a cocaína, que são fortes estimulantes, e até mesmo pela nossa adrenalina, que tem efeito muito parecido com as outras duas.

O que excita a produção de adrenalina? Justamente a tensão nervosa, causada pelos problemas que cada vez mais se agravam na rotina do mundo moderno. O medo de perder o emprego, o endividamento, o salário cada vez mais curto para pagar as contas do mês, a agenda cada vez mais cheia de compromissos, o trânsito caótico das cidades grandes, a violência urbana, os conflitos sociais e de relacionamento, enfim, uma série de situações que estressam o nosso organismo. É certo que com  a idade o corpo passa a fabricar menos melatonina, mas não é uma regra geral que o envelhecimento faz a pessoa dormir menos.

Para resolver o problema do sono a maioria das pessoas recorre aos medicamentos químicos, como Rivotril, Lexotan, fluoxetina e até mesmo o badalado Prosac. Aí começa a outra fase da encrenca, a dependência química destas drogas. Pesquisa de 2013 do IBGE com 69.954 pessoas maiores de 18 anos revelou que 16% dos entrevistados haviam usado algum tipo de ansiolítico na última semana e, destes, 1.419 pessoas conseguiram comprar estes medicamentos tarja preta sem receita médica, o que é considerado tráfico de drogas pela legislação brasileira. Outro dado preocupante é que entre os remédios mais receitados no mundo estão os benzodiazepínicos, um tipo de ansiolítico usado para tratar ansiedade ou distúrbio do sono.

Também chamados de tranquilizantes ou calmantes, estas drogas começaram a ser vendidas na década de 1950 e agem no bloqueio dos neurotransmissores do sistema nervoso central, a área do nosso cérebro responsável por enviar informações para todo o nosso corpo e manter a nossa mente em funcionamento. Uma mente agitada não permite a pessoa relaxar para dormir, então é aí que entram os ansiolíticos. Mas, embora possam fazer a pessoa dormir, pesquisas apontam que o sono por meio destas drogas não é restaurador.

PORQUE DORMIR É FUNDAMENTAL PARA A NOSSA SAÚDE

Dormir bem é fundamental para o nosso bem-estar psíquico, emocional e cognitivo. Há uma relação muito próxima entre sono de qualidade e saúde mental. Portanto, o sono é essencial para o bem-estar psicológico. Entre as funções do sono encontram-se a conservação de energia, restauração de tecidos, organização da memória, fortalecimento de células do sistema imunitário e secreção do hormônio do crescimento (GH – “growth hormone”) em crianças e adolescentes.

ESTÁGIOS DO SONO

O sono divide-se em sono não-REM (sem movimentos oculares rápidos, do inglês REM – “rapid eye movement”) e sono REM.

SONO NÃO-REM

O sono não-REM ocupa cerca de 75% do sono e estrutura-se em 4 fases.

Fase 1 – transição entre sono e vigília, facilmente interrompida por ruídos ou toques. Ondas cerebrais rápidas.

Fase 2 – Sono mais profundo. Cessam os movimentos dos olhos. Os músculos relaxam. Importante para a consolidação da memória. São necessários estímulos mais intensos para despertar. Ondas cerebrais rápidas.

Fase 3 – Mais profunda que a anterior. Início de ondas lentas. Atividade cardíaca e respiração abrandam. Importante para funções reparadoras do sono.

Fase 4 – Corresponde ao sono mais profundo, em que é mais difícil acordar uma pessoa. Continuam as funções reparadoras, de crescimento e recuperação de células, tecidos e órgãos.

SONO  REM

No sono REM há atonia muscular generalizada, mas aumento marcado da atividade cerebral. É nesta fase que ocorrem os sonhos. Pode ser também importante para a consolidação da memória. Ao longo da noite os ciclos de sono não-REM – REM sucedem-se a cada 90 a 110 minutos, e os períodos de sono REM tornam-se progressivamente mais longos. Os últimos correspondem a 25% do total, portanto passamos menos de ¼ do tempo a sonhar.

SUPLEMENTO DE MELATONINA

Ainda não existem estudos que comprovem que a melatonina sintética é tão benéfica quanto aquela que o nosso organismo produz naturalmente, embora elas sejam muito semelhantes. Mas para quem tem insônia crônica é mais recomendado adquirir esta substância numa farmácia de manipulação do que recorrer aos terríveis tarja preta. Mas ela sozinha não resolve tudo. É preciso a pessoa também mudar o seu estilo de vida estressante e parar de comer demais à noite, pois um estômago pesado também prejudica o sono. Faça refeições leves a base de saladas e carnes mais digestíveis, como a de frango ou peixe. E coma o mais cedo possível antes da sua hora de dormir. O ideal é ir para a cama no máximo até 11 horas da noite para quem vai acordar as 7 da manhã. Ou seja, ter um descanso de pelo menos 8 horas de sono. O seu corpo e a sua saúde agradecem.

DICAS PARA DORMIR MELHOR

  1. Mantenha o quarto totalmente escuro
  2. Não ligue televisão nem aparelhos de som
  3. Não leve o celular para a cabeceira da cama
  4. Adquira um colchão e um travesseiro que agrade à sua postura corporal
  5. Use somente roupas para dormir que não apertem o seu corpo
  6. Evite perfumes ou aromas dentro do quarto
  7. Lembre-se: cama não é lugar de resolver problemas. Deite para dormir e deixe os problemas para o dia seguinte.