Proteínas, saiba para o que elas servem e como funcionam no seu organismo

Proteínas, saiba para o que elas servem e como funcionam no seu organismo

As proteínas são as moléculas mais fundamentais para a existência dos seres vivos. Depois da água, elas são a substância mais abundante no corpo. Estima-se que há entre 50 mil e 100 mil tipos diferentes. A pele , o cabelo e as unhas são formados por proteínas, as fibras nervosas são envolvidas por proteínas, a saliva contém proteína, a insulina é uma proteína fabricada pelo pâncreas, a hemoglobina do sangue também é uma proteína e as fibras musculares e os tendões que unem os músculos aos ossos são formados por proteínas. Para que as células possam produzir proteínas elas precisam de 22 aminoácidos, compostos de carbono, hidrogênio, oxigênio, nitrogênio e, às vezes, enxofre. Nosso corpo só consegue produzir 13 deles e os outros 9, chamados de aminoácidos essenciais, são obtidos pela alimentação. Eles são como tijolos que irão formar a estrutura molecular das proteínas.

A maior parte dos aminoácidos é de origem animal, que ingerimos por meio das proteínas que eles fabricam. Mas alguns vegetais também nos fornece grandes quantidades de proteínas. Contudo, para se adotar uma dieta estritamente vegetariana, sem o consumo de qualquer produto de origem animal, é preciso muito cuidado e orientação médica especializada para se  evitar um déficit de proteína no organismo, que pode causar várias doenças e levar a pessoa à morte, pois  maioria dos alimentos de origem vegetal contém apenas uma fração dos 9 aminoácidos essenciais. Não são, portanto, alimentos completos, ao contrário de alimentos de origem animal que nos fornecem todos os aminoácidos essenciais.

PROTEÍNAS DE ORIGEM ANIMAL

O ovo, as carnes, o leite e seus derivados são as principais fontes de proteínas de origem animal. São ricos em aminoácidos essenciais, capazes de nutrir todas as nossas necessidades diárias de ingestão de proteínas. Durante décadas, as pessoas foram bombardeadas com a falsa informação de que a gordura saturada contida nos alimentos de origem animal era prejudicial para o coração, devido aos altos níveis de colesterol. Esta tese já caiu, pois ficou comprovado que colesterol não é causa de problemas cardíacos. Ao contrário, as células do coração precisam de proteínas de gorduras saturadas. Além disso, de todo o colesterol que consumimos através de gordura saturada o nosso organismo só absorve cerca de 10%. A maior parte do colesterol existente em nosso corpo é produzido no fígado a partir de moléculas de carboidratos. Mas o colesterol também é essencial para a saúde.

PROTEÍNAS DE ORIGEM VEGETAL

As leguminosas são a maior fonte de proteínas no reino vegetal. E, dentre elas, a soja é a mais rica em aminoácidos, pois contém quase todos os aminoácidos essenciais, exceto a metionina e a cistina. Portanto, nem a soja é um alimento proteico completo. Além disso, é difícil consumir a soja, sobretudo aproveitando completamente todos os seus aminoácidos. Para isso, os japoneses, que são grandes consumidores desta leguminosa, usam principalmente  duas receitas de soja fermentada, o misso e natto.

Outras leguminosas, como o grão-de-bico, a ervilha, a lentilha e o feijão, também apresentam bom teor de proteína vegetal, bem como o abacate, o espinafre e as couves. Mas também não fornecem todos os aminoácidos essenciais.

CONHEÇA OS AMINOÁCIDOS ESSENCIAIS

Histidina: este aminoácido possui propriedades vasodilatadoras, o que ajuda o sangue circular melhor pelas artérias, evitando a hipertensão arterial. Também mantém um equilíbrio adequado dos minerais relevantes para o corpo, a exemplo do zinco e do ferro. É ele que transporta o zinco para as células que estão com déficit deste mineral.

Isoleucina: controla as taxas de açúcar no sangue, previne a atrofia muscular causada por longos períodos de imobilizações, combate infecções por vírus ou bactérias, previne lesões do fígado e atua na cicatrização de feridas e traumatismo.

Leucina: age como fonte de energia durante atividades e exercícios físicos, aumentando a resistência e diminuindo a fadiga.

Lisina: é um dos componentes de ossos, cartilagens e outros tecidos conectivos. É essencial durante o crescimento da criança, pois atua na formação dos ósseos, por meio da indução de produção de colágeno.

Metionina: é precursora do aminoácido cisteína, representando cerca do 80% desta substância. Combate a depressão, inflamações, doenças do fígado e dores musculares. Também regula a relação hormonal feminina,  evitando que a progesterona atinja níveis muito altos em comparação com o estrogênio.

Fenilalanina: age como um analgésico, combatendo as dores musculares, menstruais, artrites e até enxaqueca. É considerada a proteína da motivação e, sintetizada, é usada como medicamento para tratar principalmente doenças psiquiátricas, como déficit de atenção, ansiedade, hiperatividade e depressão.

Treonina: é o aminoácido essencial mais abundante. Estimula o crescimento e a regeneração muscular,  facilita a absorção de outros nutrientes, ajuda a proteger contra as infeções intestinais, e participa da formação de colágeno, elastina e esmalte dos dentes.

Triptofano: é utilizado pelo cérebro, juntamente com a vitamina B3 e o magnésio, para produzir a serotonina, neurotransmissor responsável pelo sono e o humor. Reduz o estresse, combate a depressão, controla a ansiedade, diminui a sensação de cansaço e auxilia no controle de peso, pois aumenta o tempo de saciedade.

Valina: é indispensável para o metabolismo e o crescimento da musculatura. Combate o estresse, a insônia, atua no fortalecimento do sistema imunológico, na manutenção das taxas de açúcar no sangue, aumenta a resistência física e ajuda no controle do apetite.

PROTEÍNAS TAMBÉM SÃO FONTE DE ENERGIA

Sempre que os estoques de carboidratos ou gorduras estão muito baixos no corpo, nosso metabolismo lança mão das proteínas para fabricação de energia. Contudo, esta não deve ser a regra, mas a exceção, pois quando usamos proteína para produzir energia estamos retirando essa substância de sua verdadeira função, que é manter a estrutura e o funcionamento correto do organismo. Pessoas que perdem muita proteína queimando energia passam a apresentar atrofia muscular e, em casos extremos, ficam em pele e osso quando estão passando fome, processo que leva à morte por subnutrição. Algumas proteínas participam do processo de produção de energia corporal, mas isto não é o mesmo que substituir os carboidratos ou a gordura pela proteína como fonte de energia para as células. Portanto, mantenha sempre uma dieta rica em proteína, mas balanceada com fontes de gordura e preferencialmente carboidratos de cadeia longa, que contêm muitas fibras, para que seu organismo seja forte e saudável.