Ai ai ai meu coração! Você cuida de seu amigo do peito?

Você cuida de seu amigo do peito?
Você cuida de seu amigo do peito
Ai ai ai meu coração! Você cuida de seu amigo do peito?
5 (100%) 1 voto[s]

As doenças do coração são a maior causa de morte no Brasil. E, quando não matam, é comum provocarem consequências graves, como a invalidez total ou parcial. Isso afeta não só a pessoa que adoece, mas também a família e a sociedade como um todo. Para cuidar bem desse “amigo do peito”, fortalecendo-o e prevenindo doenças, é necessário mais do que boa vontade. Veja neste artigo as principais recomendações para um coração saudável.

1. É preciso agir e mudar

Temos que adotar novos hábitos para conquistar uma vida equilibrada e saudável. Isto é essencial para a saúde do coração! Fatores como o fumo, bebida em excesso, sedentarismo, estresse, etc., precisam ser combatidos ou abandonados. Temos também que incluir exercícios regulares em nossa rotina diária, além de uma alimentação saudável e um controle positivo das emoções. Mau humor, raiva, ira, ódio são fatores de alto risco para um infarto. Então comece logo a trabalhar suas emoções. Está comprovado: as emoções influenciam fortemente a saúde cardíaca. Sentimentos como estresse, solidão, raiva, angústia e depressão elevam a pressão arterial, causando danos ao organismo. Por sua vez, emoções positivas melhoram a saúde em geral, previnem doenças e até participam no processo de cura. Troque tudo isso por amor, afeto, carinho, calma, equilíbrio emocional… Isso sim é importante para o seu coração e para a saúde geral do seu corpo.

Mesmo tomando todos os cuidados, nem tudo está em suas mãos. Alguns fatores de risco para o desenvolvimento de doenças do coração, tais como faixa etária, hereditariedade e sexo, estão relacionados às características biológicas e, por isso, não são controláveis. Quando há doença cardiovascular na família, por exemplo, assim como o aumento da idade e ser do sexo masculino – homens têm maior predisposição ao desenvolvimento da
doença do que mulheres – o risco é maior.

2. Controlar os fatores de risco

O acúmulo de gordura nas paredes internas das artérias causa o seu estreitamento e entupimento, atrapalhando o bombeamento do sangue por essa região. Quando este entupimento atinge as coronárias, o risco de enfarto é muito grande. Ou mesmo um AVC (Acidente Vascular Cerebral), quando ocorre no cérebro, Contudo, nem sempre as doenças são acompanhadas de sintomas. Assim, a prevenção é a melhor forma de se controlar os fatores de risco.
A aterosclerose (estreitamento e entupimento das artérias) é provocada por taxas elevadas de uma gordura chamada triglicérides. Ela é fabricada e armazenada no fígado, que metaboliza a glicose em forma de gordura. Serve para nos fornecer energia quando não estamos alimentando e o organismo precisa oferecer combustível para nossas células. O problema é que o fígado tem uma pequena capacidade de armazenamento e quando o estoque de gordura ultrapassa este limite ele usa o LDL (o colesterol de baixa densidade) para levar os triglicérides para o sangue, independente de nossas células estarem precisando de energia. Quando o consumo de açucares e carboidratos, que se transformam em açúcar no sangue, são ingeridos em quantidades muitos maiores do que a quantidade de energia que nosso organismo queima, ocorre este problema. Então, o fígado despeja o excesso de gordura que vai se transformar em placas em nossas artérias. Daí a necessidade de um balanço alimentar para não ingerirmos calorias demasiadamente. E mantermos atividades físicas para queimar energia.

Assim, podemos relacionar alguns itens que são fatores de alto risco para o desenvolvimento de doenças cardíacas, diabetes e até mesmo o câncer.

-> Obesidade:

obesidade
O sobrepeso é um dos maiores problemas hoje em quase todos os países, atingindo inclusive crianças, onde a alimentação saudável foi substituída pela cultura dos fast-foods e uma alimentação muito rica em calorias, além de um ritmo de vida sedentário, em que as pessoas passam a maior parte do dia sentadas, ou no sofá de casa, no escritório ou dentro de um carro no trânsito. Esta é uma fórmula perfeita para que o índice de massa corporal vá às alturas.

-> Estresse:

É um gatilho para o desencadeamento de doenças cardiovasculares. Em situações estressantes, o organismo reage aumentando a frequência cardíaca e a quantidade de açúcar no sangue, entre outros. Essas situações podem propiciar o surgimento de doenças cardíacas, no caso de predisposição para distúrbios cardiovasculares ou diabetes.

-> Diabetes:

O diabético possui um risco 2 a 3 vezes maior de desenvolver problemas cardíacos. Portanto, controlar as taxas de glicose no sangue é fundamental para evitar contrair a doença. Picos de glicose não significa que a pessoa é diabética. O principal indício do diabetes é a resistência das células à insulina. É esta substância que faz as células se abrirem para receber a glicose que será transformada em energia pelas mitocôndrias, bactérias que vivem no interior de nossas células. Quando a insulina se torna incapaz de sensibilizar adequadamente as células, tem-se o início do diabetes. Outro problema é a produção inadequada ou nenhuma produção de insulina pelo pâncreas. Podemos, assim, classificar o diabetes em dois níveis. O diabetes tipo 1, quando o pâncreas perde a capacidade de produzir insulina em decorrência de um defeito do sistema imunológico, fazendo com que nossos anticorpos ataquem as células que produzem a esse hormônio. O diabetes tipo 1 ocorre em cerca de 5 a 10% dos pacientes com diabetes. E o diabetes tipo 2, combinação de dois fatores – a diminuição da secreção de insulina e um defeito na sua ação, conhecido como resistência à insulina. Geralmente, o diabetes tipo 2 pode ser tratado com medicamentos orais ou injetáveis, contudo, com o passar do tempo, pode ocorrer o agravamento da doença. O diabetes tipo 2 ocorre em cerca de 90% dos pacientes com diabetes.

-> Fumo:

A nicotina endurece os vasos sanguíneos, promovendo aumento da pressão arterial e diminuição da capacidade de transportar oxigênio para nossas células, incluindo as células do cérebro e do coração.

-> Pressão alta:

O ideal é que a pressão arterial seja mantida em torno de 120 x 80mmHg. Níveis mais altos, 14 x 9 (140
x 90mmHg) em diante, quando constantes, podem levar à hipertensão.

Para finalizar, vai um pequena dica: coma maçã diariamente. Esta fruta é excelente para o coração.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*